Porque devemos ir mais ao urologista: autocuidado masculino e o exame de próstata.

Tempo de leitura: 7 minutos

Sabemos que nós, homens, vamos bem mais raramente ao médico do que as mulheres. Geralmente, só vamos quando a coisa está feia ou sabemos que não vamos conseguir ligar de jeito nenhum com aquilo sozinhos. Conversamos com Ricardo Monteiro, que é médico urologista, e lhe fizemos algumas perguntas sobre a função da sua especialidade, sobre como ele vê o autocuidado masculino a partir da sua experiência com a medicina e, bem, certamente perguntamos sobre o exame de próstata, um filme de terror que assombra muito cabra por aí.

1. Afinal o que faz um urologista e qual o seu campo de atuação?

Urologista é o médico que fez 6 anos de graduação e mais 5 anos de pós graduação, sendo 2 anos de cirurgia geral e mais 3 anos de urologia. 

O urologista trata do aparelho urinário masculino, feminino e o aparelho genital masculino, ou seja, problemas no rim, nos ureteres, na bexiga, na uretra, na próstata e na genitália masculina, são tratados então pelo urologista. Por exemplo, quem faz transplante de rim é o urologista. Notem que o campo de atuação é muito vasto.

É muito comum as pessoas acharem que o urologista é o ginecologista do homem, dessa forma acabam achando estranho encontrar mulheres na sala de espera de um consultório de Urologia.

O urologista trata de homens e mulheres nas diferentes etapas da vida, desde a primeira infância com as más formações congênitas do aparelho urinário até a fase adulta e a terceira idade.

2. Por que você acha tão incomum os homens procurarem um urologista?

Acredito que principalmente porque aos homens é imposto um conceito de onipotência onde devem ser fortes e não adoecer nunca. 

É muito comum nós atendermos homens que chegam na consulta falando que nunca foram ao médico, que nunca precisaram fazer uma cirurgia, que nunca ficaram doentes e que tem uma saúde de ferro. Falam inclusive com certo orgulho.

Quando perguntamos por que demoraram tanto para nos procurar a resposta é que não teriam necessidade porque não estariam sentindo nada, “então procurar para quê?!”. Ao contrário de nós, as mulheres apresentam o hábito de irem ao ginecologista logo na adolescência, com a chegada da menstruação.

Outro motivo é o preconceito, seja ele por medo de um exame digital, como na época da prevenção do câncer de próstata, seja pelo medo ou vergonha de expor a genitália para outro homem.

3. Afinal, porque são importantes as consultas de prevenção?

Quando se faz uma estratificação pelo sexo e pela faixa etária das pessoas, nós identificamos patologias comuns que levam a consequências de diferentes níveis e até a morte.  Essas doenças devem ser investigadas de uma forma proativa, não esperando o surgimento de sintomas específicos. Por exemplo, o câncer de próstata que é uma das doenças que mais mata o homem depois dos 50 anos de idade não apresenta sintomas em sua fase inicial, por isso é muito importante ser feito a prevenção antes do surgimento dessas queixas com o objetivo de proporcionar um tratamento adequado e diminuir a morbimortalidade. Nas consultas de prevenção, além das doenças comuns por faixa etária, ainda aproveitamos para fornecer informações importantes para a prevenção de outras doenças, como as DSTs ou mesmo de planejamento familiar.

4. Se você pudesse dizer uma coisa para todos os homens, o que diria?

Homens, vamos mudar essa história de que os homens não se cuidam, que apenas as mulheres fazem prevenção e cuidam da sua saúde.

Esse cuidado com o bem maior que é nossa saúde deve iniciar logo no início de nossa vida sexual.

Acho importante levarmos nossos filhos adolescentes que estão na iminência de iniciar sua vida sexual para consultas em que possamos identificar problemas e, principalmente, sanar dúvidas. Isso vai melhorar a condição de segurança dos seus filhos, bem como evitar problemas como uma gravidez indesejada.

No caso de homens que apresentam parentes de primeiro grau como pai ou irmãos com doenças na próstata, devem procurar o urologista de forma precoce a partir dos 35 anos de idade.

Homens que não apresentam parentes com esse antecedente patológicos, devem procurar o urologista a partir dos 40 anos de idade.

Quando se levantam as principais causas de morte em homens a partir dos 40 anos de idade, o câncer de próstata está entre as 5 principais causas, dessa forma é muito importante se fazer uma avaliação inicial com a virada da quarta década para se demonstrar qual é o seu padrão de normalidade.

Um dos principais motivos que afastam o homem da prevenção é o exame digital da próstata que se torna obrigatório em situações específicas e principalmente relacionadas a idade e características familiares.

Vários estudos científicos comprovam que no caso de o homem ser orientado da importância do exame digital o índice de aceitação e de novas visitas ao urologista aumentam consideravelmente.

Além do câncer de próstata temos também as demais doenças do aparelho uro genital masculino por exemplo as infecções, tumores, disfunções miccionais e os cálculos de vias urinárias.

5. A muitos homem é ensinado a temer o exame da próstata. É tão terrível assim?

Antes de responder a essa pergunta é muito importante localizar anatomicamente a próstata. 

Ela fica de 3-5cm da borda anal e tem uma relação íntima com o reto intestinal. Na sua face anterior é protegida pelo osso púbis da bacia e na sua face posterior é protegida pelo osso sacro da coluna vertebral. Dessa forma, não temos como acessar a próstata que não seja por via anal e o tamanho/ a espessura do dedo do examinador não são significantes, já que o calibre das fezes é muito maior.

Estudos científicos demonstram que o problema do toque retal ou o exame digital da próstata está relacionado a um problema cultural, muito observado entre os latino americanos. Os norte-americanos e os europeus não demonstram tal preconceito.

A questão central está em que o exame digital iria ferir a masculinidade do examinado e ainda produziria uma dor insuportável, isso leva a um medo do exame e consequentemente brincadeiras e piadas sobre o assunto, atrapalhando os diagnósticos precoces que notoriamente levam a maiores taxas de cura com o tratamento. 

Vários trabalhos científicos comprovam que a partir de uma conversa onde fosse explicado a importância do exame digital, a imensa maioria dos homens aceitaria fazer este exame e ainda retornariam para repetir conforme a necessidade. É sempre bom lembrar que a prevenção do câncer na próstata, doença que acomete um número muito significativo de homens pelo mundo afora, é feito através de antecedentes familiares, exames de sangue como o de PSA, ultrassonografia da próstata e o exame digital. Com a suspeita da presença dessa doença o médico pode solicitar ainda a ressonância multiparamétrica da próstata e a biópsia de próstata para confirmação do diagnóstico.

6. Se você pudesse dizer uma coisa que aprendeu sobre a relação dos homens com seu pênis, o que seria?

A relação dos homens com o pênis é a relação do indivíduo com a sua masculinidade. A auto afirmação de sua masculinidade vem de um bom desempenho da sua sexualidade e o objeto principal desta relação é o pênis. 

Esse falocentrismo leva o homem, na esmagadora porcentagem dos casos, a uma sensação de não estar completo quando o seu pênis não tem uma boa ereção ou quando não produz uma boa relação sexual com a pessoa com quem ele está se relaciona. Ultimamente o número de homens que procuram o consultório de Urologia em busca do tratamento das diversas disfunções eréteis está cada vez mais frequente, felizmente. É muito comum encontrarmos homens bem sucedidos do ponto de vista financeiro, profissional e familiar, mas infelizes por não estarem desempenhando bem suas capacidades sexuais. Certamente muitos casos de uso abusivo do álcool, de drogas ilícitas, violência e depressão/tristeza, estão relacionados a essa questão. Sendo assim, diria para os homens que é muito importante este contato com o urologista para poder entender o processo, os fatores desencadeantes e o tratamento que não necessariamente é feito através de algum medicamento ou procedimento, normalmente se resolvem através de orientações.

Ricardo Monteiro é formado em Medicina pela Universidade de Brasília, turma de 1995, especialidade médica em cirurgia geral e urologia. Faz parte do Clã Lobos do Cerrado e Homens em Conexão.

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Observador
Observador
3 meses atrás

Para mim, que desde 2005, comecei mais a ler sobre a área da Medicina, me parece simplista, verificar anualmente, o volume da próstata X marcador de PSA! Para minha surpresa um Geriatra, que examinou minha glande, não sei se ele assim faz com público inerente a área médica dele ou por eu a época estar próximo dos 50 anos! Mas achei válido afinal as mulheres mesmo no Outubro Rosa serem as mamas, o alvo do exame, mas Ginecologistas avaliam todos os órgãos inerentes a área deles! Então quando eu perceber urologistas se especializando mais na Andrologia, sendo Andrologistas, mesmo, quem sabe compense o checkup masculino. Desculpe o desabafo, mas quando leio homens com diagnóstico de inflamação da próstata porque não a massagem na glândula para limpar seus dutos? Infelizmente para evitarmos a inflamação me parece que a saída seja diminuir o número de atos sexuais ou os homens recorrerem aos massagistas de “cunho” sexual!